24 janeiro 2012

Valerie Page [V de Vingança]

Oi, inescrupuloso leitor! Desculpe não ter postado ontem, mas eu fiquei sem net e só deu pra postar agora! Essa é uma história linda sobre Velerie Page, quem já viu V de Vingança sabe do que eu estou falando! Mas se você ficou meio perdida? da uma olhada nesse post aqui...

Evey deitou no chão, cansada. Eles a torturaram durante algumas horas e ela se sentia vazia, sem mais lágrimas pra chorar, sem mais voz pra gritar de desespero. Ela pensou o quanto havia mudado, talvez não conseguisse resistir se não o tivesse conhecido. Ela estava com os olhos cansados, mas não realmente dormia, foi quando notou alguma coisa, um papel entre o concreto de sua cela. Surpresa descobriu uma carta:
Eu não sei quem você é. Por favor, acredite. Não há nenhuma maneira que eu posso convencê-lo que este não é um dos truques deles. Mas eu não me importo. Eu sou eu, e eu não sei quem você é, mas eu te amo.

Eu tenho um lápis. A um pouco que não encontrou. Eu sou uma mulher. Eu escondi dentro de mim. Talvez eu não serei capaz de escrever de novo, então isso é uma longa carta sobre a minha vida. É a autobiografia que eu já escrevi e, oh Deus, eu estou escrevendo-o em papel higiênico.


Nasci em Nottingham, em 1957, e choveu muito. Passei mais onze e foi para a Gramática menina. Eu queria ser atriz.

Eu conheci minha primeira namorada na escola. O nome dela era Sara. Ela tinha quatorze anos e eu tinha quinze anos, mas nós dois estávamos na sala de aula Miss Watson. Seus pulsos.Os pulsos eram bonitos. Sentei-me na aula de biologia, olhando para o feto de coelho piquete em seu jar, ouvindo enquanto o Sr. Hird disse que era uma fase da adolescência que as pessoas superaram. Sara fez. Eu não.


Em 1976 eu parei de fingir e levou uma garota chamada Christine casa para conhecer meus pais. Uma semana depois, eu me matriculei na faculdade drama. Minha mãe disse que eu quebrei seu coração.


Mas era a minha integridade que era importante. É era tão egoísta? Ele pode ser vendido por tão pouco, mas é tudo o que podemos deixar aqui. É o último centímetro de nós. Mas dentro desse polegadas somos livres.


Londres. Fiquei feliz em Londres. Em 1981 eu joguei Dandini em Cinderella. Meu 
primeiro trabalhoO mundo era estranho e farfalhante e ocupado, com multidões invisíveis por trás das luzes quentes e todo o glamour que sem fôlego. Foi emocionante e era solitário. À noite eu ia para a tripulação  Crew-In ou um outros clube qualquer. Mas eu era retraída e não me misturam facilmente. Eu vi um monte de cenas, mas eu nunca me senti confortável lá. Muitos deles só queria ser gay. Foi a sua vida, sua ambição. E eu queria mais do que isso.


Trabalho melhorou. Eu tenho papéis em filmes pequenos, então as maiores. Em 1986, estrelou "The Salt Flats." Ela puxou na premiação, mas não as multidões. Conheci Ruth, enquanto trabalhava com isso. Nós nos amávamos. Nós morávamos juntos e no Dia dos Namorados, ela enviou-me rosas e oh Deus, tivemos tanto. Aqueles foram os três melhores anos da minha vida.

Em 1988 houve a guerra, e depois que não havia mais rosas. Não é para qualquer um.


Em 1992 eles começaram arredondando os gays. Levaram Ruth enquanto ela estava à procura de comida. Por que eles estão com tanto medo de nós? Queimaram-la com pontas de cigarro e fez dela dar-lhes o meu nome. Ela assinou uma declaração dizendo que eu tinha a seduziu. Eu não a culpo. Deus, eu a amava. Eu não a culpo.


Mas ela fez. Ela se matou em sua cela. Ela não poderia viver com a culpa, com a desistência sem volta. Oh Ruth. ..


Eles vieram atrás de mim. Disseram-me que todos os meus filmes seriam queimados. Eles raspasse o meu cabelo e segurou minha cabeça um vaso sanitário e contou piadas sobre lésbicas. Eles me trouxe aqui e me deram drogas. Eu não posso sentir minha língua mais. Eu não posso falar.

As outras mulheres gay aqui, Rita, morreu há duas semanas. Eu imagino que eu vou morrer muito em breve. É estranho que minha vida deve terminar em um lugar tão terrível, mas há três anos eu tive rosas e não devia nada a ninguém.


Vou morrer aqui. Cada centímetro de mim perecerá. Exceto um.


Uma polegada de integridade. É pequeno e é frágil e é a única coisa no mundo vale a pena ter. Nunca devemos perdê-lo, ou vendê-lo, ou dá-lo a qualquer um. Nunca devemos deixá-los tirar de nós.


Eu não sei quem você é. Ou se você é um homem ou uma mulher. Eu nunca vou poder chorar com você ou ficar bêbado com você. Mas eu te amo. Espero que escapar deste lugar. Espero que o mundo gira e que as coisas melhorem, e que as pessoas um dia possam ter rosas outra vez. Eu gostaria de poder te beijar.


Valerie.
[valeri.jpg]
Foi quando Evey chorando que ela soube que amava Valerie também, de que podia sentir a dor dela de ter perdido tudo. Foi quando ela teve a certeza de que não importava mais, que ela resistiria mais um vez por essa polegada.

Se emocionou? COMENTA!
UmCheiro!
UmBeijo!

Ps: Eu dei embasamento para a história, escrevendo no começo e nesse fim mexi um pouco no texto porque só encontrei em inglês e tive que adaptar algumas coisas. Eu acredito que essa é a parte mais emocionante do filme, e me da lágrimas aos olhos...

Um comentário:

Anônimo disse...

Se não fosse seu blog eu não saberia da metade disso. Blog muito legal.
sucessoparaseublog.blogspot.com

Solte sua criatividade!

!-- Inicio do codigo de navegacao -->